Informação adicional

Autor

O Batismo Infantil e o Princípio Regulador do Culto, por Fred A. Malone

SKU: e66ee2aeefb2 Categoria:

Descrição

Eis o esboço desta pertinente e solene consideração sobre como o Batismo Infantil viola o Princípio Regulador do Culto Cristão.

• Batistas frequentemente rejeitam o batismo infantil mostrando que a visão Pedobatista (“Batismo de infante”) sobre a teologia pactual erroneamente autoriza a “boa e necessária inferência” a partir da circuncisão do Antigo Testamento para anular a única instituição positiva do batismo no Novo Testamento, a saber, o batismo de discípulos somente.

• Pedobatistas contradizem o seu mais importante princípio de culto a cada vez que batizam um lactente.

• Obviamente, Batistas e Presbiterianos não podem estar ambos certos sobre a questão do batismo.

• Com certeza, esta questão não é essencial para a salvação (como é, por exemplo, a justificação pela fé), mas diz respeito a um sacramento da igreja e, portanto, não pode ser descartado como sem importância.

• O QUE É O PRINCÍPIO REGULADOR DO CULTO?

• A oração, a leitura, a pregação da Bíblia, os cânticos, os sacramentos, votos, ações de graças, etc., são os únicos elementos autorizados do culto Reformado. Deve ser notado que os únicos sacramentos que são aprovados como elementos de culto são aqueles que foram “instituídos por Cristo” e não por “boa e necessária inferência”.

• “Princípio normativo de culto”: ensina que a adoração deve ser constituída por aquilo que é ordenado por Deus e também pode incluir o que não é expressamente proibido pela Escritura. 

• Obviamente, o princípio normativo convida à invenção, criatividade e novos elementos de culto que nunca são comandados ou mencionados na Escritura. Ele também permite que as práticas que são prescritas no culto do Antigo Testamento sejam usadas no culto Cristão do Novo Testamento por “boa e necessária inferência”, mesmo que estas práticas não sejam prescritas para o culto Cristão. 

• As terríveis consequências da adoção do princípio normativo ao invés das bases regulativas. 

– Pompa, altares, sacerdócios, paramentos, livros de oração, mariolatria, orações aos santos, e outras práticas não instituídas pela Escritura ao culto Evangélico. Outros, atualmente, adicionam teatro, dança, fantoches, palhaços, filmes, mágicos, comediantes […] “chamadas ao altar” de grande pressão, entretenimento e tudo o mais que seus corações desejem. 

• Quando alguém sustenta o princípio normativo, outro deve perguntar: “Onde isso acabará?”.

• Em resumo, o princípio regulador do culto Reformado permite apenas os elementos de culto que foram instituídos de forma positiva e ordenados por Deus na Escritura.

• O QUE O PRINCÍPIO REGULADOR TEM A VER COM A BATISMO INFANTIL?

• O batismo infantil viola o princípio regulador do culto. 

• Batismo é um dos sacramentos que foram “instituídos por Cristo”. Assim, ele é regulado por Deus, limitado pela Sua vontade revelada e prescrito pela Sagrada Escritura. Esta regulação se estende aos sujeitos do batismo. Quem deve ser batizado? Como eles devem ser batizados? Por que eles devem ser batizados? Para responder a essas perguntas, devemos fazer uma pergunta mais básica: O que foi “instituído por Cristo”?

• A instituição de Cristo do batismo, em seu modo, significado e sujeitos deve ser regulada pela Palavra de Deus. 

• Não é verdade que a Escritura não se pronuncia sobre o batismo de “adultos nascidos de pais Cristãos”. Eles, junto com adultos nascidos de pais não-Cristãos, bem como homens e mulheres, meninos e meninas de todas as idades são comandados pelo Senhor, através da Escritura, a se arrependerem e crerem no Evangelho. Aqueles que o fazem, independentemente de suas origens, devem, como os crentes do Novo Testamento do primeiro século, ser batizados (Atos 2:41).

• Quando Deus instituiu a circuncisão, Ele foi muito específico ao identificar seus sujeitos. É por isso que os bebês eram circuncidados. Isto está de acordo com o princípio regulador. 

• Agora, nesta época do Novo Testamento, devemos assumir que o princípio regulador sobre os sujeitos dos sacramentos “instituídos por Cristo” (Batismo e a Ceia do Senhor), limitados pela vontade revelada de Deus, e prescritos pela Sagrada Escritura, devem ser deixados à nossa aplicação, como se fossem uma circunstância não comandada de culto? Se as palavras não significam nada, obviamente não. De acordo com o princípio regulador, os únicos sujeitos do batismo “instituído por Cristo” e prescrito na Sagrada Escritura são os discípulos.

• Estou convencido de que a “boa e necessária inferência” que estabelece o batismo infantil, abriu as portas a outras dificuldades dentro do mundo Cristão Reformado e Evangélico. 

• Todos precisamos examinar nossas crenças e práticas à luz da Palavra de Deus. A herança que compartilhamos na Reforma Protestante nos lembra que a igreja deve ser “reformada e sempre se reformando de acordo com a Palavra de Deus”. 

• Porque nós fazemos o que fazemos no culto? Como os sacramentos da igreja devem ser observados? O que a Palavra diz especificamente sobre os sujeitos do batismo? Estas perguntas devem ser respondidas a partir da Bíblia. 

• Tal exercício será benéfico para todos os filhos de Deus. Além disso, deverá nos tornar cautelosos para que não violemos o culto biblicamente regulamentado, pela incorporação de práticas não comandadas, não instituídas, não reveladas e não prescritas.
 

Informação adicional

Autor