Informação adicional

Autor

O Maravilhoso Pacto, por C. H. Spurgeon

SKU: 07846c7fb909 Categoria:

Descrição

Recomendamos com muita alegria e gratidão no Senhor, este maravilhoso Sermão originalmente pregado na quinta-feira, 31 de outubro de 1912, alicerçado em “Porque esta é a aliança que depois daqueles dias farei com a casa de Israel, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; e eu lhes serei por Deus, e eles me serão por povo” (Hebreus 8:10).

Eis o seu esboço:

• A doutrina do Pacto Divino está na raiz de toda a verdadeira teologia. Já foi dito que aquele que entende bem a distinção entre o Pacto de Obras e o Pacto da Graça é um mestre em Teologia. Estou convencido de que a maioria dos erros que os homens cometem sobre as doutrinas da Escritura se derivam de erros fundamentais no que diz respeito aos Pactos da Lei e da Graça. Que Deus me conceda agora o poder de instruir, e lhes conceda a graça de receber instrução sobre este assunto vital.

I. Sobre OS PRIVILÉGIOS DO PACTO DA GRAÇA.

• O primeiro privilégio é que a todos quantos são participantes do Pacto será concedida a iluminação de suas mentes.

• A próxima bênção é: “em seu coração as escreverei” [Jeremias 31:33]. Isso é mais do que conhecer a lei, infinitamente mais. “Escreverei a lei, não apenas em seus entendimentos, para que eles possam orientá-los, mas em seus corações, os quais lhes guiarão”. Irmãos e irmãs, o Espírito Santo faz com que os homens amem a vontade de Deus, leva-os a deleitarem-se em tudo que Deus Se deleita e a abominarem o que o Senhor abomina! É bem dito no texto que Deus fará isso, pois, certamente, ninguém pode fazer isso por si mesmo.

• Eu anuncio esta que é uma das maiores bênçãos que uma língua poderia pronunciar! Eu prefiro ser santo do que feliz, se é que estas duas coisas podem ser separadas. Se fosse possível para um homem estar sempre triste e ainda ser puro, eu escolheria a tristeza se eu pudesse ganhar a pureza, pois, amado, ser livre do poder do pecado, e ser levado a amar a santidade, apesar de eu ter falado à maneira dos homens a você, é a verdadeira felicidade! Um homem que é santo está alinhado como o propósito da Criação, ele está em harmonia com Deus! É impossível para este homem sofrer por muito tempo. Ele pode, por um momento, sofrer por seu bem permanente, mas tão certo como Deus é feliz, o santo deve ser feliz! Este mundo não é de tal modo constituído que na longa carreira, a santidade seguirá com sofrimento, pois na eternidade, Deus mostrará que ser puro é ser abençoado, ser obediente à vontade Divina é ser eternamente glorificado! Ao pregar a você, então, essas duas bênçãos do Pacto, eu praticamente preguei a você o Reino do Céu, que está aberto a todos quantos a graça de Deus vier a olhar com os olhos da misericórdia!

• A próxima bênção do Pacto é: “eu lhes serei por Deus”. Se alguém me perguntar o que isso significa, eu lhe responderei: Dê-me um mês para pensar nisso. E quando eu tivesse considerado o texto por um mês, eu pediria mais um mês! E quando eu tivesse esperado um ano, eu pediria mais um ano, e quando eu tivesse esperado até que eu ficasse grisalho, eu ainda gostaria de pedir o adiamento de qualquer tentativa de responder completamente a esta pergunta até que eu chegasse à eternidade! “Eu lhes serei por Deus”. Agora, observe isto, onde o Espírito de Deus veio para ensinar-lhe a Divina vontade e fazer com que você a ame, Deus torna-Se-lhe o quê? Um Pai? Sim, um amorável e terno Pai. Um Pastor? Sim, um guardião atento de Seu rebanho. Um Amigo? Sim, um amigo que é mais chegado do que um irmão. Uma Rocha? Um Refúgio? Uma Fortaleza? Uma Torre Alta? Um Castelo Forte? Uma Casa? Um Céu? Sim, tudo isso, mas quando Ele disse: “Eu lhes serei por Deus”, Ele quis dizer mais do que todos estes juntos, pois, “Eu lhes serei por Deus”, abrange todos os títulos da graça, todas as benditas promessas e todos os privilégios Divinos!

• Observe a bênção seguinte: “E eles me serão por povo”.

II. E agora, irmãos e irmãs, eu gostaria de ter tempo para falar as outras partes contidas nos versículos 11 e 12 do capítulo, mas eu não tenho, porque tenho uma aplicação prática a fazer que consiste na seguinte pergunta: COM QUEM DEUS FEZ ESTE PACTO?

• Eu disse que Ele o fez com Cristo, mas Ele o fez com Cristo como Representante do Seu povo. A pergunta hoje à noite para você, e para mim, e para cada um é: “Eu sou participante de Cristo? Será que Cristo Jesus é meu Representante?”.

• Ainda assim, sobre premissas de alerta, eu tentarei ajuda-lo um pouquinho. Você já obteve qualquer uma dessas bênçãos do Pacto? Você tem uma mente iluminada? Você agora percebe que seu espírito lhe diz o que é o certo e o que é errado? Melhor ainda, você tem amor pelo que é bom? Você tem ódio pelo que é mal? Se sim, como você tem uma bênção Pacto, todo o resto virá com ela! Agora, homens e mulheres, vocês já passaram por uma grande mudança? Vocês já chegaram a odiar o que vocês uma vez amaram? Se este for o caso, o Pacto está diante de vocês assim como Canaã esteve diante dos olhos encantados de Moisés, no topo da montanha! Olhe agora, pois é seu! Dela mana leite e mel, e pertence a vocês, e vocês herdarão a terra! Mas se não houve tal mudança operada em vocês, eu não posso lhes fazer qualquer congratulação, mas agradeço a Deus que eu possa fazer o que pode lhes ser útil! Eu posso lhes apontar a direção Divina, a direção para a obtenção de uma participação neste Pacto; e verificar sua participação nele é simples. Ele está contido em poucas palavras. Observe bem essas três palavras: “Creia e viva”, pois quem crê em Cristo Jesus tem a vida eterna, que é a bênção do Pacto. O argumento é óbvio. Tendo a bênção do Pacto você deve estar no Pacto! E estando no Pacto, Cristo evidentemente deve ter te representado ficando por seu Fiador.

• Eu insto para que todos vocês se autoexaminem. Eu lhes pressiono com sinceridade, vocês que são membros da Igreja. É inútil você ter sido batizado! É inútil que você tome o sacramento. Que proveito há? Na verdade, devem trazer uma maior responsabilidade e uma maldição sobre você, a menos que seus corações tenham sido feitos novos pelo Espírito Santo, segundo a promessa do Pacto! Se você não tiver um coração novo, vá para seu quarto, caia sobre os seus joelhos e clame a Deus por isso! Que o Espírito Santo o leve a fazer isso! E enquanto você está suplicando, lembre-se que o novo coração vem do coração sangrante, a mudança na natureza vem da natureza agonizante. Você deve olhar para Jesus, e olhando para Jesus, sabemos que:

 

“Há vida em um olhar para o Crucificado!
Há vida neste momento para você!”

***

Acrescido de Uma Exposição de Romanos 5:1-11, por C. H. Spurgeon
 

Informação adicional

Autor