Informação adicional

Autor

Pecado Interior, por Anne Dutton

REF: 59f6fd33b40b Categoria:

Descrição

Querida Senhora,

Em verdade, é um grande privilégio ser favorecido com um parentesco e educação religiosa, mas se isso fosse a nossa maior felicidade, nós afundaríamos, mesmo assim, em miséria eterna! Mas os vasos de misericórdia — da livre, rica e soberana misericórdia de Deus — no devido tempo preparatório para a glória eterna são abençoados por Ele, com o Seu Espírito Santo enviado aos seus corações, como o espírito de regeneração, convicção e conversão.

E este bendito Espírito, em Sua obra salvífica no coração, quando Ele primeiro a inicia, encontra o pecador morto em pecado, e sob total escuridão quanto às coisas espirituais, em seu entendimento, em uma alienação completa delas, e aversão a elas em sua vontade e afeição; e desta forma, longe de Deus em Cristo, sem direito evidente ao pacto da promessa, e sem qualquer boa esperança, pela graça. E, em um momento como este, Ele Se apraz, por Seu poder todo-poderoso e todo-misericordioso, em produzir um novo e santo princípio de vida espiritual naquela alma que estava completamente sob o poder da morte espiritual.

Este princípio, que é instantaneamente dado, e quanto ao momento exato dele é desconhecido para nós, contém em si todas as graças que são depois postas em seus vários exercícios, sob a influência do Espírito, para os vários privilégios da alma regenerada. E esta obra graciosa do Espírito Santo do coração desvela-se para a alma que é o sujeito da mesma, e para outros, com as quais ela se relaciona por uma luz sobrenatural criada no entendimento, de onde a alma vê a si mesma como estando totalmente perdida e arruinada pelo pecado, pelo coração e pela vida do pecado, sob a maldição da lei de Deus, e em perigo da ira vindoura, de modo que não poderia, não pode, nem poderá, através do poder do eu, alcançar uma justiça perfeita própria para a justificação.

E também, no discernimento da alma, sobre o Espírito de revelação, a glória infinita e excelência transcendente de Cristo como o grande Salvador, em Sua Pessoa e ofícios, sangue e justiça, e em toda a plenitude de Sua graça — como a grande provisão de Deus para a salvação do principal dos pecadores — e, como no Evangelho é anunciado sobre todos estes, são recebidos pela fé.

E além disso, a obra salvadora do Espírito, na vontade e afeições, desvela-se para o consentimento da alma quanto ao Salvador contemplado, seus desejos por Ele, suas aproximações a Ele, seu apegar-se a Ele, e lançar-se a Ele, sob a doce e poderosa atração do Espírito, com todo o fardo de sua eterna salvação somente em Cristo para toda a santidade e toda a felicidade, para o louvor presente e eterno do Deus de toda a graça, e presente e eterna bem-aventurança da alma; sobre o que, aquela alma torna-se declarativa e manifestamente um filho e herdeiro de Deus, por meio de Cristo, como o Deus de graça e glória, e é de alguma forma selada com o Espírito Santo da promessa.

E agora, querida senhora, se você é abençoada com uma preciosa experiência desta obra feliz em seu coração, você é certamente uma nova criatura em Cristo, e uma verdadeira crente nEle, e “será salva no Senhor, com uma salvação eterna”, não obstante a maior oposição exterior ou interior possa lhe ocorrer. Você está sempre segura nas mãos de Jesus, e nenhum dos poderes das trevas, com toda a sua sutileza e vigor, serão alguma vez capazes de arrancar-lhe dali. “O Deus eterno é a tua habitação, e por baixo estão os braços eternos”. E como um habitante da Rocha, a Rocha Eterna, que é a sua torre forte, você pode louvar e exclamar “salvação” desde o cume dos montes!

Mas você lamenta, querida senhora, “que, não obstante a sua aproximação a Cristo pela fé, para tocar a orla de Sua veste, e para apoderar-se de Seu manto real de justiça, a raiz do pecado não está seca dentro de você, a praga de seu coração não está curada, mas que o seu coração é como um sepulcro caiado, cheio de podridão e putrefação; sim, que seu coração está se tornando cada vez pior”. A estas coisas eu respondo:

A raiz do pecado em seu coração pode ser considerada em um duplo sentido, quanto, (1) ao seu princípio; e (2) em seu ato; ou, sua miséria pode ser distinguida em iniquidade no “coração” e “contaminadora da vida”; e isso, novamente, na culpa e imundície de ambos. Com relação à culpa de ambos, sua raiz do pecado foi totalmente seca e desfeita, no seu primeiro ato de fé no sangue e justiça de Cristo, para a sua justificação. Como Deus, então, pelas graciosas declarações de Sua palavra imutável, não lhe imputa o seu pecado, mas a perfeita justiça de Seu próprio Filho, cuja natureza, sendo sem uma mancha de pecado, Seu coração, lábio e obediência de vida, mesmo até a morte, foi sem defeito, então, daí em diante, você foi, é e sempre será, aos olhos de Deus, desde que você apareceu diante dEle em Seu Filho: perfeitamente limpa da culpa de todo pecado, e justa diante dEle como no seu estado de justificação.

E, quanto à imundície do seu coração e ao pecado na vida, esta também foi seca e desfeita, desde que você apareceu diante de Deus por Sua aceitação e complacência em Seu Santo Filho, que permanece por você que está em Cristo, como o coração perfeitamente santo, para remover da vista do Pai toda a sua falta de santidade. Você agora é apresentada diante de Deus, por meio de Cristo, “perante Ele santa e irrepreensível, inculpável”, embora você ainda sofra com as operações do pecado — pela muita impiedade — em si mesma. E a este respeito, você é chamada para lavar-se diariamente, pela fé, naquela fonte aberta para purificação do pecado, lavar-se tanto da sua culpa quanto da imundície.

“A praga do seu coração”, você diz, senhora, “não está curada”. Mas você deve fazer a distinção entre o seu coração e seu coração, ou entre o seu coração, como renovado pela graça, no qual habita um princípio de santidade e de onde procedem os atos internos e externos da santidade; e seu coração como não-renovado, ou a parte não-renovada do seu coração, em que habita um corpo inteiro do pecado e da morte, com todos os seus membros, e de onde fluem os atos internos e externos da impiedade. Pois, embora a obra do Espírito Santo no coração seja perfeita, quanto ao tipo e em relação às partes, na medida em que se estende a todas as partes, poderes e faculdades da alma, de modo que não há nenhum poder ou faculdade nela, senão o que seja santificado; ainda assim, Sua obra santificadora, ainda é imperfeita em grau, e deve ser aumentada por Sua influência toda-poderosa, para uma perfeição de santidade; e tendo experimentado a obra santificadora do Espírito em seu coração como um trabalho iniciado nele, a praga de seu coração, na medida em que este é renovado, está curada. E se a praga de seu coração não estivesse, a este respeito, curada, você não iria, você não poderia desejar tão ardentemente um coração totalmente puro, pois amamos aquilo que nos é semelhante. Este anelo por perfeição provém da santidade iniciada em seu coração e até chegar esse momento, todo pecado permanece em seu coração corrupto, que é tão contrário à santidade quanto a escuridão é da luz. E esta é a sua grande tristeza, fardo e tema de sua queixa, “que a praga de seu coração não está curada”. E, de fato, não está, na parte não-regenerada dele, mas está na parte regenerada do mesmo.

Quando falo de coração, entenda que me refiro a todos os poderes de sua alma, cada um dos quais é em parte renovado e em parte não-renovado; mas esse mesmo poder todo-poderoso, que começou em você esta santa obra, em conformidade com Cristo, o primogênito Filho do Pai, conduzirá você até a perfeição absoluta, e, em seguida, você não mais sentirá as abominações do coração, lábio e vida; mas deve exclamar os triunfos daquela poderosa graça, e seus louvores sem fim, que operou a sua libertação de toda a miséria, e lhe trouxe para aquela pureza perfeita, plenitude de alegria e glória eterna.

Mas você me diz, senhora: “que seu coração está se tornando cada vez pior”. A isso eu respondo: A parte não-renovada do seu coração, na qual reside o princípio do pecado, tem em si uma tal plenitude de mal, tais alturas e profundidades de impiedade, tal putrefação e podridão, que não pode conceber como poderiam ser maiores. “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?”, ninguém senão o próprio Senhor pode sondá-lo, ou examinar as profundezas surpreendentes deste abismo sem fundo! Mas, embora o pecado como um princípio, na parte não-regenerada do seu coração, não possa tornar-se pior, as agitações, ou fervuras das corrupções, podem ser maiores ou menores, conforme tenham mais ou menos predominância em mostrar a sua ira contra o Deus de graça e santidade, e contra nós à medida que temos a Sua imagem. O funcionamento das corrupções tem menos predominância quando estamos sob a influência Divina presente; mas quando esta é, em parte, retirada de nós, elas fervilham imediatamente com ira contra o princípio da graça, e por sua sutileza e vigor, sob a influência de Satanás, enganam-nos ou apressam-nos rapidamente a incorrermos em atos pecaminosos, para a desonra de Deus e aflição de nossa alma.

Mas toda a ira do Inferno e do pecado dentro e fora de nós, com todas aquelas águas infernais que eles lançam como um dilúvio para engolir-nos, jamais apagarão aquela centelha de fogo celestial, aquela pequena graça que é operada em nossos corações pela mão da Onipotência! Não! esta, pelo mesmo poder todo-poderoso que acendeu-a, será mantida e aumentada em meio e através da maior oposição, até que seja levantada em uma chama plena e eterna! O Capitão triunfante da nossa salvação venceu todos os poderes do Inferno e do pecado. Ele levou cativo o cativeiro, e arrastou todas as legiões de demônios nas rodas de seus carros, quando Ele subiu à glória com um brado — com o som de uma trombeta, em meio a milhares e dezenas de milhares de Seus santos anjos, que viram Seus triunfos e cantaram as Suas vitórias.

E, quanto ao pecado, o nosso pior inimigo — o velho homem — todo o corpo de pecado — foi crucificado com Ele, e daí, por graça onipotente, por graça que perdoa e subjuga o pecado, e este será, em breve, total e finalmente destruído em nós! E, portanto, pela fé na onipotência e poder pactual de Jeová, estejamos em guarda como bons soldados de Jesus Cristo, e avancemos valentes na luta contra todos os Seus e os nossos inimigos; pois, a partir da fraqueza seremos fortalecidos e trazidos do campo vitorioso através de Seu amor e sangue, como mais do que vencedores. E enquanto isso, enquanto a nossa iniciada santidade aumenta, veremos corrupções em suas agitações horríveis, sob progressivas exibições de graça reinante, o que lhes dá maiores agravos — sendo cada vez piores — e nossos novos corações serão cada vez mais avessos a todo pecado — até que uma vitória completa seja obtida e sejamos abençoados com uma coroa imortal.

Você bem dizer, querida senhora, que “a incredulidade nas promessas e fidelidade de Deus é a raiz produtiva de inúmeros males”, e, portanto, não devemos ceder a isso, mas lutar contra a incredulidade no poder de Jeová, enquanto nos firmamos pela fé naquela plena, gloriosa e eterna liberdade com que Cristo nos libertou, por irreversível concessão como promessa, mediante o nosso primeiro ato de fé. Por permanecermos firmes pela fé nesta gloriosa liberdade com que em nosso primeiro crer nós fomos estabelecidos, eu intenciono aqueles atos posteriores de fé que relacionam-se à convicção naquela participação salvífica em Cristo e todos os Seus benefícios, que foram, então, dados por nós por meio de promessa, e assim asseguramos a nossa confiança, ou convicção na salvação, em face de toda a oposição interior ou exterior feita contra ela; pois, isso não é apenas para o louvor de Deus, em Sua infinita graça e fidelidade à Sua promessa, mas também será de grande benefício para a mortificação do pecado em nós.

Enquanto a nossa fé em nosso interesse salvífico aumenta, o nosso amor e gratidão a Deus aumenta; mas, se a nossa fé em nossa participação na salvação &

Informação adicional

Autor