Informação adicional

Autor

Sermão Nº 277, O Sangue do Pacto Eterno, por C. H. Spurgeon

REF: 0679c12a6980 Categoria:

Descrição

Eis o esboço deste sermão que proclama tão solenemente uma gloriosa porção da verdade eterna de nosso Deus.

***

• “O sangue da aliança eterna.” (Hebreus 13:20)

• Todos os lidares de Deus com os homens tiveram um caráter de Aliança.

I. A ALIANÇA mencionada no texto.

1. No Pacto da Graça, ou Aliança Eterna, devemos antes de tudo observar as Partes contratantes, entre as quais ele foi feito. O Pacto da Graça foi feito antes da fundação do mundo, entre Deus Pai e Deus Filho. Ou, para colocá-lo em uma luz ainda mais bíblica, foi feito de comum entre as três Pessoas Divinas da adorável Trindade. 

2. Quais foram as estipulações deste Pacto? 

Cristo pode dizer sobre o que Ele prometeu fazer, “Está consumado!” E algo semelhante deve ser dito por todos os gloriosos Pactuantes. Todos por quem Cristo morreu serão perdoados, justificados, adotados. O Espírito deve vivificar todos eles, deve dar-lhes toda a fé, deve trazê-los todos para o Céu e eles devem, cada um deles, sem obstáculo ou impedimento, permanecer aceitos no Amado, no dia em que o povo chegará ao número pactuado e Jesus será glorificado!

3. E agora, vendo quem eram as Partes Contratantes, e quais foram os termos do Pacto feita entre eles, vejamos quais eram os objetos deste Pacto. 

Este Pacto foi feito para cada homem da raça de Adão? Certamente que não! 

4. Além disso, temos que considerar quais foram os motivos deste Pacto. 

II. O SEU CARÁTER ETERNO. 

• O livre-arbítrio odeia os “farei” de Deus, e, “quero”, e gosta, dos “se” do homem, e, “mas”, mas não há, “se”, e, “mas”, no Pacto da Graça! Assim, o mandato é executado: “Eu quero”, e, “eles serão”. Jeová jura e o Filho cumpre! É, deve ser verdade. Deve ser seguro, pois o “EU SOU” o determinou! “Porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria?”. É um Pacto seguro! 

… Não há promessa de que qualquer influência seja forte o suficiente para vencê-lo, de acordo com o Arminiano. Portanto, a questão é deixada ao homem — e Deus, o poderoso Construtor, embora Ele ponha pedra sobre pedra maciça como o universo — ainda pode ser derrotado por esta criatura! Fora com tal blasfêmia! A estrutura inteira, do começo ao fim, está nas mãos de Deus. Os próprios termos e condições desse Pacto tornaram-se os Seus selos e garantias, vendo que Jesus cumpriu todas elas! A sua plena realização em cada coisa mínima e título é certo e foi cumprido por Cristo Jesus, independente do homem querer ou não! Não é o pacto da criatura, é do Criador. Não é o pacto do homem, é o Pacto do Todo-Poderoso e Ele a realizará e executará, independente da vontade do homem! Porque esta é a própria glória da graça — que o homem odeia ser salvo — que ele é inimigo dEle, no entanto, Deus vai fazê-lo redimido — que o consenso de Deus é: “Você será”, e a intenção do homem é, “eu não serei” e o “será” de Deus, conquista o “eu não serei” do homem. A graça soberana cavalga vitoriosamente sobre o pescoço do livre-arbítrio e leva-o, inglorioso, cativo em cativeiro, ao poder avassalador da graça irresistível e amor! É uma Pacto seguro e, portanto, merece o título de Eterno.

III. A parte mais doce e mais preciosa da doutrina: a relação que o sangue carrega nela — O SANGUE DO PACTO ETERNO.

• O sangue de Cristo tem uma quádrupla relação com o Pacto. 

• “Eu sou um pecador. Eu confio que Cristo morreu por mim. 

Eu coloco a minha confiança no mérito de Seu sangue, e afunde ou nade, não tenho outra esperança, além desta:

“Nada em minhas mãos eu trago,
Simplesmente à Tua Cruz me apego.”

Você já ouviu falar sobre isso; você o recebeu em seu coração e se apegou a isso? Então você é uma daquelas pessoas no Pacto! 

• Que Deus remova a inimizade de seu coração por Sua própria verdade preciosa e o reconcilie com Ele mesmo por meio do sangue de Seu Filho, que é o vínculo e selo do Pacto Eterno!
 

Informação adicional

Autor