Informação adicional

Autor

Um Tratado Sobre o Amor de Deus, por Bernardo de Claraval

REF: e037eb0481e2 Categoria:

Descrição

O Esboço deste doce Tratado Sobre o Amor de Deus, por Bernardo de Claraval:

CAPÍTULO I – Porque e como amar a Deus?

CAPÍTULO II – O quanto Deus merece o amor do homem por causa dos bens do corpo e da alma: como devemos reconhecê-los; não devemos usá-los contra Aquele que no-los deu.

CAPÍTULO III – Motivos que os Cristãos têm a mais que os infiéis para amar a Deus.

CAPÍTULO IV – Quais são os que acham consolo nas lembranças de Deus, e são mais puros em sentir o amor por Ele.

CAPÍTULO V – Obrigação de amar a Deus, particularmente para os cristãos.

CAPITULO VI – Recapitulação, sumário dos capítulos anteriores.

CAPÍTULO VII – Vantagens e recompensas do amor de Deus. As coisas da terra não podem satisfazer o coração do homem.

CAPÍTULO VIII – Nós começamos por nos amar para nós mesmos; é por nós o primeiro grau do amor.

CAPÍTULO IX – Segundo e terceiro graus do amor.

CAPÍTULO X – O quarto grau do amor é de somente se amar para Deus.

CAPÍTULO XI – O amor perfeito só será partilhado entre os santos após a ressurreição geral.

CAPÍTULO XII – Fragmento de uma carta aos Chartreux (religiosos da ordem de São Bruno) sobre o amor.

CAPÍTULO XIII – Da lei da vontade própria e da concupiscência, que é a dos escravos e dos mercenários.

CAPÍTULO XIV – Da lei do amor que é para os filhos.

CAPÍTULO XV – Dos quatro graus do amor, e do estado bem-aventurado dos santos no céu.

***

“‘Tua justiça é como as grandes montanhas’ (Salmos 36:6); é a mesma coisa para este quarto amor, é um monte muito elevado, uma montanha abundante em pasto e fértil, ‘Quem subirá ao monte do Senhor’ (Salmos 24:3)? Quem me dará asas como as da colomba, para que eu possa voar até o topo e ali repousar? Um lugar tranquilo, a morada de Sião. Ah! Quão longo é meu exílio! Quando então se elevará até lá a carne e o sangue, o barro e o pó de que fui feito? Quando então, embriagado pelo amor de Deus, minha alma se anulando e não se estimando mais do que um vaso trincado, lançar-se-á em direção a Deus, se perderá nEle e, sendo um só e mesmo espírito com Ele (2 Coríntios 6:17), quando poderá clamar: ‘A minha carne e o meu coração desfalecem; mas Deus é a fortaleza do meu coração, e a minha porção para sempre’ (Salmos 73:26)?”

***

Que o Senhor Se agrade em utilizar esta leitura para dilatar os nossos corações, e enchê-los de amor a Deus pelo que Ele é em Si mesmo; de modo que possamos ser conservados “no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo para a vida eterna.” Amém. 
 

Informação adicional

Autor