Informação adicional

Autor

Formato

PDF

Páginas

30

Título original

To Live Upon God That Is Invisible:
Suffering and Service in the Life of John Bunyan

Ano

2020

Viver no Deus Invisível: Sofrimento e Serviço na Vida de John Bunyan

REF: VDISSVJBJP Categoria:

Descrição

Vivendo no Deus Invisível:

Sofrimento e Serviço na Vida de John Bunyan

John Piper

 

Conferência Bethlehem para pastores, 2 de fevereiro de 1999.

“Deus a abençoe, prisão, por ter estado em minha vida!”

Em 1672, cerca de 50 quilômetros a noroeste de Londres, em Bedford, John Bunyan foi libertado após passar 12 anos na prisão. Ele tinha 44 anos. Pouco antes de sua libertação (ao que parece) ele atualizou sua autobiografia espiritual chamada de Graça Abundante ao Principal dos Pecadores. Ele olhou para trás, para as dificuldades dos últimos 12 anos e escreveu sobre como ele foi habilitado por Deus para sobreviver e até mesmo florescer na prisão de Bedford. Um de seus comentários me dá o título para esta mensagem sobre a vida de Bunyan.

Ele cita 2 Coríntios 1:9, onde Paulo diz: “Mas já em nós mesmos tínhamos a sentença de morte, para que não confiássemos em nós, mas em Deus, que ressuscita os mortos”. Depois, ele diz:

Por essa passagem da Escritura eu fui levado a compreender que se algum dia eu sofresse corretamente, eu precisaria em primeiro lugar sentenciar à morte todas as coisas que podem ser corretamente chamadas de coisas dessa vida, ou seja, considerar a mim mesmo, minha esposa, meus filhos, minha saúde, o meu prazer e tudo o mais como mortos para mim, e eu, como morto para eles. Em segundo lugar, compreendi que eu deveria viver no Deus invisível, pois como Paulo disse em outro lugar, o caminho para não enfraquecer é o seguinte: “Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas”.

O termo que eu escolhi como título desta mensagem e o foco deste estudo sobre John Bunyan é a expressão “viver no Deus invisível”. Ele descobriu que para podermos sofrer se devemos sofrer corretamente, devemos morrer não apenas para o pecado, mas também para as coisas inocentes e preciosas deste mundo, incluindo a família e a liberdade. Devemos “viver no Deus invisível”. Devemos considerar todas as outras coisas desse mundo como mortas para nós, e nós, para elas. Essa foi a paixão de Bunyan a partir do momento de sua conversão como um jovem casado até o dia de sua morte, quando ele tinha 60 anos.

Informação adicional

Autor

Formato

PDF

Páginas

30

Título original

To Live Upon God That Is Invisible:
Suffering and Service in the Life of John Bunyan

Ano

2020